Amor… esse estado de encantamento muda a COR do nosso dia, muda a nossa energia, muda a vida.

Como tudo o que é intenso, o amor tem vida própria, nasce de uma química que independe da nossa vontade. Mas o que faz com que o fogo apague antes da hora é justamente a força que fazemos para o amor durar…

Usamos tanto a expressão “viver é uma luta” que, sem perceber, pela dinâmica do hábito, acabamos carregando essa ideologia bélica para o terreno do coração, que não é um campo de batalha ou de conquista – mas de amor. O resultado é a perda da espontaneidade, da leveza, da alegria… Nada do que a gente queria, nada que alimente a chama do estar felizes juntos.

Então, como lidar com isso?

O segredo está nos “detalhes tão pequenos de nós dois” que vão dando alegria ou um gosto de luta ao cotidiano: os gestos amorosos (ou impacientes) de cada um, os sorrisos (ou o mau-humor), a parceria (ou a competição), a vontade de fazer dar certo (ou de fazer birra porque o orgulho é maior) e de curtir as afinidades (ou ficar cobrando perfeição).

Relacionamento é cocriação

Se a gente fosse resumir esses detalhes numa frase mútua, seria: “Com você me sinto uma pessoa melhor”.

Mas se algo não vai bem, se o outro desperta em mim o meu pior – e vice-versa –, os dois precisam descobrir o que está acontecendo e o que estão criando sem perceber.

A chave é a autoconsciência pra descobrir o que penso, o que sinto, o que faço e o que digo sem perceber, e o que causo na outra pessoa (vontade de amar ou de brigar) – e isso vale pra vocês dois.

Estamos aqui pra ajudar você nesse processo.